13 de agosto de 2017

Dois prefeitos “politicamente incorretos”


Plinio Maria Solimeo

Em outro artigo(*) apresentamos um político inglês conservador, bem casado e pai de seis filhos, que por sua fidelidade à fé católica enfrenta de peito aberto todos os desmandos morais que assolam o pobre mundo moderno.

Hoje falaremos de dois políticos italianos que, coerentes com a sua ideologia, também defendem os valores tradicionais, não aceitando essas pragas que infestam nosso século.


O primeiro é Federico Sboarina [foto ao lado], recém-eleito prefeito, pela coalizão da Liga do Norte, da importante cidade de Verona. Advogado de 46 anos, “tão logo chegou ao cargo, deu ordem para se retirar das escolas e deixar de privilegiar nas bibliotecas públicas todo o material propagandístico da ideologia de gênero que havia sido distribuído nos últimos anos” .(1)

Isso ele fez em cumprimento ao prometido em seu programa eleitoral que, “como forma de apoiar a família, estabelece, entre outros, estes três pontos: 
“Oposição à difusão da ideologia de gênero nas escolas mediante propostas educativas desenvolvidas em colaboração com as associações de famílias, com a finalidade de promover o respeito à dignidade masculina e feminina, sem desprezar suas valiosas diferenças naturais”;  
“Retirada das bibliotecas e das escolas municipais [...], incluídas as creches, de livros e publicações que promovam a equiparação da família natural com as uniões do mesmo sexo, e interrupção das iniciativas que promovem indiretamente este mesmo objetivo”;  
“Compromisso de rechaçar toda iniciativa (deliberações, moções, ordens-do-dia, coleta de assinaturas, orgulho homossexual, etc.) contrária aos valores da vida, da família natural ou das prerrogativas do direito dos pais em educar seus filhos segundo seus princípios morais e religiosos”.
Devido a essas propostas conservadoras, Federico Sboarina obteve 58,11% dos votos no segundo turno das eleições de 25 de junho. É preciso salientar que Verona, com cerca de 250.000 habitantes, é a segunda cidade do Vêneto, logo depois de Veneza. 

Patrizia Bisinella, adversária de Sboarina, também pertencera à Liga do Norte, partido conservador; mas nos últimos anos cedeu ao império do lobby homossexual. O resultado das eleições mostra que a maioria da população é mais conservadora do que os políticos pensam. E, no entanto, eles se iludem defendendo essas aberrações morais, que julgam ter popularidade entre o povinho. 


Campanha de imposição ideológica subvencionada

Como não é de surpreender, as medidas do novo prefeito provocaram um imenso clamor no establishment pró-homossexual. O lobby LGBT fala agora em “confiscar” e “destruir” qualquer livro que questione a ideologia de gênero, além de atacar a “censura” existente em Verona, no que é apoiada pela Associação Italiana de Editores, pela Associação Italiana de Bibliotecas e pela International Publishers Association, que pediram a Federico Sboarina que reconsidere a sua decisão. 

Uma das principais organizações do lobby homossexual italiano, Arcigay, comenta: “É desconcertante que Sboarina seja vítima do grande espantalho e da apoteose paranoica reacionária do momento, do ogro do gênero, que não existe, mas sobre o qual se construiu um partido que consegue alguns votos”. Ao que “os defensores da medida respondem que esses ‘alguns votos’ são quase dois terços dos registrados no dia 25 de junho, e que a própria existência de toda a propaganda retirada agora por Sboarina demonstra que não há nenhum ‘espantalho’ nem ‘paranoia’, mas uma campanha de imposição ideológica bem organizada e subvencionada”

Com efeito, a maioria dos textos infantis, que têm muito pouca venda nas livrarias e “pouca procura da parte dos pais que compram livros para seus filhos, são financiados com dinheiro público para sua distribuição escolar e estão destinados exclusivamente a doutrinar as crianças na ideologia de gênero”.

Apesar do verdadeiro estrondo publicitário que estão fazendo contra essa medida de Federico Sboarina, ela significa apenas que esses lixos morais “simplesmente deixarão de ser leitura escolar obrigatória, e não serão privilegiados, como até agora, nas salas de leitura infantil das bibliotecas públicas”


Católico e cristão à antiga 

O outro prefeito que se opõe à agenda LGBT é Serafim Ferrino [foto ao lado], 68 anos, da pequena cidade de Favria, de cinco mil habitantes, na província de Turim. Reeleito quatro vezes, ele se confessa um “católico e cristão à antiga” .(2)

Também coerente com a sua fé, ele foi o primeiro prefeito na Itália a se negar a celebrar um “casamento” entre dois homens, desde a aprovação, em maio, da lei que o permite. O destemido prefeito afirma: “Para mim, a família está composta só por um homem e uma mulher, não por dois homens ou duas mulheres”. “Essas poderão ser uniões, mas não famílias. Creio firmemente que a base da sociedade é a família. Sem família não há sociedade. É ela que educa os filhos, a que trabalha sobre o terreno”

Em várias entrevistas, Serafim já havia declarado que não celebraria “casamento” entre pessoas do mesmo sexo, “nem delegaria a função de fazê-lo, porque seria uma forma indireta de colaboração”. Foi o que, chegada a ocasião, pôs em prática. 

Como não poderia deixar de ser, a ditadura homossexual pôs a boca no mundo, no que foi secundada pela imprensa liberal. Serafim não se abalou: “Simplesmente obedeço à minha consciência”, disse ele à “La Nuova Bussola Quotidiana”: “Agora todos me fazem guerra, mas paciência. Isso quer dizer que é necessário dar testemunho assim!”

Serafim já havia se manifestado de outras formas, como participando da concentração organizada pelo movimento Sentinelas em Pé na cidade de Ivrea.


A provocação do lobby homossexual 

O prefeito é muito querido em sua cidade, à qual não pertenciam os que provocativamente haviam solicitado o “casamento”. A localidade é muito apreciada para bodas por sua beleza artística, “mas Serafim tem claro que, como não há casualidade, eles escolheram o local justamente para suscitar o caso, porque sabiam de seu rechaço à lei”. Aliás, essa é uma das táticas habituais do lobby homossexual para amedrontar seus oponentes, como sucedeu com o confeiteiro Jack Phillips [foto ao lado], do Colorado, a três mil quilômetros de distância, a quem um casal homossexual encomendou um bolo para sua boda a fim de obter uma negativa e o confeiteiro ser multado. 

Serafim diz por que se recusa a fazer esse “casamento”: “Por razões éticas e morais, porque sou católico praticante, e porque, como prefeito, tenho o dever de opor-me a uma lei injusta. Sou um católico que procura fazer política seguindo o Magistério da Igreja. Ninguém pode impedir-me de professá-lo”.

No clima de ditadura anticristã em que vivemos isso poderá acarretar para Serafim a perda do cargo. Mas ele tem o apoio da esposa, entretanto “muito preocupada com a exposição mediática” deslanchada pela imprensa liberal praticamente de todo o mundo. “Em 37 anos de atividade política e administrativa, jamais isso me havia sucedido. Não estou violando a lei, estou é respeitando minha fé”, diz o destemido batalhador. 
____________


1. http://www.religionenlibertad.com/alcalde-coherente-retira-colegios-guarderias-todo-material-57992.htm, que vimos seguindo para este artigo. 
2. Este artigo está baseado em http://www.religionenlibertad.com/solo-obedezco-conciencia-dice-alcalde-italiano-que--52245.htm

7 de agosto de 2017

Jovem revela que, mesmo após confessar-se, não perdoa a si própria por ter abortado o seu bebê


Paulo Roberto Campos


Adela Alonso [fotos], uma jovem paraguaia de 22 anos, revelou o trauma que lhe causou o fato de ter feito um aborto no segundo mês de sua gravidez. Ela afirmou no programa de TV RPC (Red Paraguaya de Comunicación) que — mesmo tendo-se confessado e obtido o perdão pelo pecado — não consegue perdoar-se a si mesma. 


Chorando muito, disse ela que abortou no dia 17 de abril, dois dias depois de seu aniversário, e até hoje não consegue superar aquele momento mais difícil de sua existência.

Muito comovida, ela fez a revelação no programa de reality show “Mundos Opuestos”, num momento em que comentava sua vida: “Quando abortei, eu escutei o barulho que se fazia quando trituravam o bebê. E não posso esquecer isso. Acho que é difícil perdoar a mim mesma, embora tenha me confessado, não estou tranquila comigo mesma; eu me sinto como uma assassina”. 


No final de seu depoimento [gravação abaixo] ainda disse, “Perdão! Perdão, Fausto, ou perdão, Adela”. A jovem explicou que se o bebê fosse menino, se chamaria Fausto; e se fosse menina, seria Adela. 

“Perdão! Perdão!”. Com essas palavras encerrou, pois não conseguia mais falar por ter ficado com a voz embargada. 

Queira Deus que verdadeiramente arrependida e com o coração contrito e humilhado, a jovem seja perdoada e que o bebê possa interceder por ela junto ao Divino Salvador.



____________ 
Com informações do diário “Hoy”, de Assunção (Paraguai), 08 de julho de 2017: http://www.hoy.com.py/espectaculos/video-modelo-revela-aborto-en-mundos-opuestos-me-cuesta-perdonarme-a-m-mism

4 de agosto de 2017

COISA RARÍSSIMA...


Político conservador, católico praticante, casado no rito tridentino e pai de seis filhos 


Plinio Maria Solimeo 

No corrupto mundo da política de nossos dias ainda existe isso? Onde se encontra essa avis rara (algo muito raro, excepcional), que transita na contramão do que ocorre hoje em quase todo o mundo? 


Sim, essa avis rara existe e pode ser encontrada nada menos que na Câmara dos Comuns da Inglaterra. Chama-se Jacob Rees-Mogg [foto], tem 48 anos e pertence a uma das famílias católicas mais importantes da Inglaterra e da aristocracia do Reino Unido. Seu pai foi editor do “Times” de Londres .

“Este deputado é todo um personagem, tanto fora como dentro do Parlamento, destacando-se por sua fina ironia, seu peculiar sentido de humor, e por ser o máximo e um dos últimos representantes do conservadorismo britânico mais puro. Mas, antes de tudo, é um firme e fiel católico, defensor acérrimo da Igreja e da figura do papado”, em um país majoritariamente protestante. “Criado em um ambiente anticatólico, Jacob não se incomoda com o termo ‘papista’, antes o reivindica”

Alegria pela paternidade 

Quando já era pai de cinco filhos, ao chegar o sexto assim anunciou Jacob Rees-Mogg no Instagram o seu nascimento: “Helena e eu anunciamos com alegria que já temos nosso bebê, Sixto Domingos Bonifácio Cristóvão, irmão de Pedro, Maria, Tomás, Anselmo e Alfredo”

“Nunca o nascimento do filho de um simples deputado da Câmara dos Comuns havia alcançado tanto eco na imprensa britânica. Os principais meios [de comunicação] publicam, nestes dias, que o membro do Partido Conservador, Jacob Rees-Mogg foi, aos 48 anos, pai pela sexta vez. E ser uma família tão numerosa não é o mais chamativo que aparece nesses artigos, mas sim o nome de seu filho”

Esse católico de truz quer honrar os Santos pondo seus nomes nos filhos. Todos eles têm por isso mais de um nome, seja de santo ou de figuras ilustrativas de seu país. Sixto, o primeiro nome de seu sexto filho, que causou tanto alvoroço, foi para honrar os três Papas santos com esse nome. Com o segundo nome, Domingos, o deputado quis honrar o fundador da Ordem dos Pregadores ou Dominicanos. Já o terceiro nome foi dado em honra de São Bonifácio, santo inglês e padroeiro dos alemães. Finalmente, Cristóvão foi acrescentado para honrar o mártir São Cristóvão. 


Jacob dera ao seu primogênito o nome de Pedro Teodoro Alfege em honra do primeiro Papa, de São Teodoro de Tiro e de Santo Alfege. Este último foi o primeiro bispo de Cantuária e nasceu em Somerset, região onde Jacob cresceu e da qual é representante político. 

A segunda e única filha do deputado é Maria Ana Carlota Ema, em honra à Virgem e à sua mãe, Santana, e a Santa Ema da Saxônia. 

O terceiro filho se chama Tomás Wenthworth Somerset Duston em honra de São Tomás Becket, mártir inglês. Anselmo Carlos Fitzwilliam é o quarto filho, para honrar Santo Anselmo de Cantuária, Doutor da Igreja e bispo dessa diocese.

O quinto filho é Alfredo Wulfric Leyson Pius, em honra do rei inglês Santo Alfredo, o Grande, e de São Wulfric de Haselbury, também britânico; e Pio para honrar o Beato Papa Pio IX, considerado “seu grande herói”, pois tem “qualidades admiráveis”, destacando sua “visão tradicional do Estado e da Igreja”. Apesar dessa preferência, o ínclito deputado diz que é “fã de todos os Papas”. 

A fé em primeiro lugar 

O curioso é que este político usa métodos muito simples em suas campanhas eleitorais. Acompanhado do filho mais velho [foto], ele vai de casa em casa em seu distrito eleitoral, distribuindo folhetos com sua plataforma política. Com isso ele mantém um trato muito pessoal com a população, da qual se tornou muito conhecido, tanto pelo método de abordagem, quanto pela defesa dos valores morais e tradicionais, que lhe valeu ser reeleito três vezes pela circunscrição de North East Somerset, no sul do país, com um apoio cada vez maior dos eleitores. 


Em suas campanhas ele não esconde que votaria inclusive contra seu Partido e seu Governo em questões nas quais sua fé e seus princípios são questionados. E não sofre com isso nenhuma pressão. Em 2014, por exemplo, quando estava em pauta o casamento homossexual, ele votou contra seu Partido, que apoiava essa infame paródia do verdadeiro casamento. “Sou católico romano”, afirmou, acrescentando que neste tipo de assunto de ordem moral os ensinamentos da Igreja prevalecem sobre a orientação de seu Partido. Na ocasião, Jacob havia dito que se opunha a determinada medida porque ela entrava em choque com o ensino católico, já que o matrimônio é um Sacramento. 

Coerente com seu perfil conservador, ele costuma dizer que “não sou um ‘modernizador’”, destacando que “a estratégia de modernização deixou em segundo plano os problemas que realmente preocupam as pessoas”.

Nem aborto, nem eutanásia, nem suicídio assistido 

A posição assumida por Jacob foi também muito firme nas tentativas de legalização do suicídio assistido no Reino Unido, finalmente reprovado pela Câmara. Em sua opinião, no fundo do debate há muitas semelhanças entre o que se passou com o aborto e o que poderá ocorrer com a eutanásia. Diz ele: “É muito fácil usar casos muito preocupantes para permitir circunstâncias excepcionais que se convertem com bastante rapidez em norma. E então se pressionam as pessoas para porem fim à sua vida, porque elas são uma carga para seus familiares. E assim sucessivamente”. Denunciou que o mesmo poderia ocorrer como com o aborto, “que passou de algo relacionado com a saúde da mãe para uma variedade a mais de anticoncepção”


Jacob não se ilude quanto à dificuldade que há em defender sua fé como político: “Creio que vivemos em um mundo cada vez mais secular, apesar de um grande número de deputados ter crença religiosa. Mas a percepção é de que, como disse Alastair Campbell, ‘nós não nos ocupamos de Deus’, e isso tornou mais difícil que alguns políticos se sentissem cômodos em admitir sua fé”. Entretanto, ele assegura que Deus está acima de tudo, e que O defenderá sem medo: “Eu sou um filho fiel da Igreja”. 

Coerente com isso, esse destemido deputado participa habitualmente de retiros, e em suas leituras espirituais destacam-se a vida de santos e a Bíblia. Sempre que suas obrigações parlamentares lhe permitem, ele assiste à Missa tradicional, segundo o rito extraordinário, no qual também se casou.

____________

1 de agosto de 2017

AGERE CONTRA


Paulo Roberto Campos


A instituição da família é uma das mais vilipendiadas por movimentos revolucionários, propagadores de projetos ideológicos opostos aos ensinamentos tradicionais do Magistério da Igreja. O que eles visam é a desagregação da família e mesmo a sua extinção, por exemplo, por meio do estabelecimento do “casamento” entre duplas do mesmo sexo ou da antinatural Ideologia de Gênero

Assim, adeptos que somos do princípio do “Agere Contra” — tese muito estimada e pregada por Santo Inácio de Loyola, que consiste em agir contra os males mais propalados no momento —, precisamos sempre agir de modo contrário à onda impulsionada em nossos dias por tais movimentos. Neste sentido, o “Agere Contra” consiste remarmos contra a corrente, atuando de modo oposto aos arautos da desagregação da família. 

Com o objetivo de fortalecer a instituição familiar, reproduzimos a seguir trecho de uma alocução do Papa Pio XII [foto abaixo], em 5 de Janeiro de 1941, extraído do documento Discorsi e Radiomessaggi di Sua Santità Pio XII, Tipografia Poliglotta Vaticana, pp. 364-366.


AMBIENTE PRIVILEGIADO DA FAMÍLIA



“É fato que Cristo Nosso Senhor preferiu, para conforto dos pobres, vir ao mundo desprovido de tudo, e crescer numa família de simples operários; mas é igualmente verdadeiro que Ele quis, com o seu nascimento, honrar a mais nobre e ilustre das casas de Israel, a própria estirpe de David.
Por isso, fiéis ao espírito d'Aquele do qual são Vigários, os Sumos Pontífices sempre tiveram em alta consideração o Patriciado e a Nobreza romana, cujos sentimentos de inalterável adesão a esta Sé Apostólica constituem a parte mais preciosa da herança recebida dos seus antepassados, e que eles mesmos transmitirão aos seus filhos.
Desta grande e misteriosa coisa que é a hereditariedade — quer dizer, o passar através de uma estirpe, perpetuando-se de geração em geração, um rico acervo de bens materiais e espirituais; a continuidade de um mesmo tipo físico e moral, conservando-se de pai para filho; a tradição que une através dos séculos os membros de uma mesma família — desta hereditariedade, dizemos, pode-se sem dúvida distorcer a verdadeira natureza com teorias materialistas. Mas pode-se também, e deve-se, considerar esta realidade de tão grande importância, na plenitude da sua verdade humana e sobrenatural.
Por certo, não se negará à transmissão dos caracteres hereditários um substrato material; considerar tal fato surpreendente seria esquecer a união íntima da nossa alma com o nosso corpo, e em quão larga medida as nossas próprias atividades mais espirituais dependem do nosso temperamento físico. Por isso a moral cristã não deixa de lembrar aos pais as grandes responsabilidades que lhes cabem a esse respeito.
Porém o que mais vale é a herança espiritual, transmitida não tanto por esses misteriosos liames da geração material, quanto pela ação permanente daquele ambiente privilegiado que constitui a família; com a lenta e profunda formação das almas, na atmosfera de um lar rico de altas tradições intelectuais, morais e sobretudo cristãs; com a mútua influência existente entre os que moram numa mesma casa, influência esta cujos benéficos efeitos se prolongam para muito além dos anos da infância e da juventude, até alcançar o termo de uma longa vida, naquelas almas eleitas que sabem fundir em si mesmas os tesouros de uma preciosa hereditariedade com o contributo das suas próprias qualidades e experiências.
Tal é o património, mais do que todos precioso, que, iluminado por firme Fé, vivificado por forte e fiel prática da vida cristã em todas as suas exigências, elevará, aprimorará, enriquecerá as almas dos vossos filhos.
 [...]
Aos anciãos, guardiães das nobres tradições familiares e fachos de sábia experiência para os mais novos; aos pais e às mães, mestres e exemplos de virtude para os filhos e filhas; aos jovens que crescem puros, sãos, operosos, no santo temor de Deus, esperanças da família e da pátria querida; aos pequenos que sonham com o futuro dos seus projetos nos impulsos e nos jogos da infância; a vós todos que gozais e participais da concórdia e da alegria familiares, apresentamos paternais e vivas felicitações, que correspondam ao desejo de cada um e cada uma de vós, lembrados de que todos os nossos anseios são sempre avaliados e pesados por Deus na balança do nosso maior bem, na qual em geral tem menor peso aquilo que nós pedimos do que aquilo que Ele nos concede”.